sábado, 24 de outubro de 2015

Poderão as expetativas do professor condicionar o sucesso dos alunos?



Poderão as expetativas do professor condicionar o sucesso dos alunos?

Rosenthal e Jakobson, na sua obra “Pigmalião na sala de aula” afirmam que “as pessoas fazem mais vezes o que se espera delas do que o contrário”. Rosenthal , em 1973, realizou uma experiência em que testou os efeitos das expetativas dos professores nos resultados escolares.
Um grupo de 100 alunos foi distribuído, aleatoriamente, por cinco turmas. Todos eles eram bons alunos a Matemática. No entanto, foi dito aos professores que uns eram bons alunos e outros alunos fracos. Em princípio, os resultados alcançados pelos alunos nas cinco turmas, deveriam ser semelhantes. Mas não foi isto que aconteceu. Os alunos catalogados como bons obtiveram resultados muito melhores, relativamente aos alunos classificados como fracos.
Foi a crença dos professores que provocou a diferença no desempenho dos alunos. Em Psicologia Social designa-se profecia autorrealizada o fenómeno que se caracteriza pelo facto de as nossas expetativas induzirem nos outros comportamentos que as confirmam.
Pigmalião foi um escultor e rei de Chipre, que esculpiu uma estátua de uma mulher muito bela, a quem deu o nome de Galateia, e por quem se apaixonou perdidamente.  Desesperado, Pigmalião roga a Afrodite que lhe dê uma mulher parecida com Galateia; a deusa, comovida, transforma esta numa mulher real. Rosenthal usou este mito para designar o efeito das expetativas nos resultados alcançados; por isso se designa, em Psicologia, por efeito de Pigmalião ou efeito de Rosenthal.´


Maria José Carvalho

Sem comentários:

Enviar um comentário

Missão

Vimos dar corpo à fusão recente de agrupamentos, unificar e concretizar a dinâmica de trabalho das nossas bibliotecas.

»»» Embora em construção, este blogue estará sempre em produção.